стихотворение для мира

A Rússia de hoje está me impondo medo, e isso não é um blefe. A minha volta todos comemoram ou andam angustiados com suas vidas felizes e entediantes, em minha mente apenas a guerra nuclear me dá medo.

O mundo de hoje parece que retrocedeu a 1939, a Rússia parece a Alemanha Nazista procurando uma revanche por ter perdido espaço no cenário mundial, invadindo e conquistando territórios onde habitam indivíduos étnicos.

O mundo é horrível e é duro de se viver, mas nele existe todas as maiores maravilhas que os nossos olhos podem contemplar, não merece ser destruído por um homem embriagado por status e ânsia de poder, os russos são maiores que Vladimir Putin e vão sobreviver.

Duo corda in amore

Falei palavras de amor para ela, desses amores únicos de momento. _Nem venha com essa conversinha, sabe que eu me derreto toda. Fico vulnerável. Deixe eu pensar que você “nem liga pra mim” que “tanto faz, tanto fez”. Assim disse ela.

A beleza dela habita em mim, é parte dos meus pensamentos e dos meus órgãos. Ela disse que viu em mim um campo de flores, e que no final o que existia mesmo eram espinhos. E o silêncio foi tudo que sentimos naquele momento.

Mas ela sabe que não consigo me distanciar dela por muito tempo, talvez ela seja como o ar que eu respiro, tão essencial para a vida humana. A vida precisa de momentos assim. Eu preciso me embriagar e me entorpecer com a beleza dela de novo.

Trecho de um jornal

Alguém que eu amava me apresentou essa música e ela se tornou um tema nosso. Mas o tempo passou e nos afastou, e percebemos que o amor já não era mais verdadeiro. Por muito tempo, não consegui ouvir essa música sem chorar do fundo da minha alma.

Agora volta e meia me apego pensando nela e os doces momentos que não voltam mais. Eu quis viver a ilusão, viver só pra ela, assim é a vida quando os corações não se encontram mais, e assim vou seguindo carregando em meu peito as cicatrizes de um (passado) presente em meu rosto.

Fonte: Primeira estrofe. Cesar Gaglioni27 de maio de 2022(atualizado 03/06/2022 às 22h39) Nexo Jornal.

O sonho de uma garota ucraniana

Quando a guerra começou, o som das bombas e o medo de perder aqueles que ela amava – estremeceu o coração de Lila – a garota dos cabelos escuros, que cresceu na cidade de Bucha, e sonhava diferente dos sonhos das adolescentes de sua idade, queria ser escritora.


Sua família era pobre, mas nunca lhe faltou nada, entre os sonhos e a realidade existia os russos que bombardearam seu país. Seu pai foi convocado para o serviço militar, e morreu junto com outros companheiros quando seu acampamento foi atacado por dezenas de bombas após um drone de observação os encontrar.

Quando o exército russo entrou em Bucha, pilhou, assassinou e violentou mulheres e crianças indefesas que não podiam lutar, seu irmão foi fuzilado quando se dirigia a uma fila de sopa e pão que era distribuída na cidade aos civis, uma fração de 4 soldados estupraram sua mãe um após o outro, em seguida a enforcaram.

Lila conseguiu fugir da cidade em direção a oeste, procurando a fronteira da Polônia, procurando um sonho para se manter em pé, e não cair de tristeza em razão da solidão que passava, Lila apenas queria sorrir novamente.