Alegria em meu coração

Apesar de tudo eu continuo, mesmo sabendo que não queres mais me ver. E o sol há de brilhar em meu rosto quando despontar no horizonte, quando os pingos de chuva apagarem nossos passos que deixamos sobre a areia do mar.

Eu continuo a viajar, seja para fugir de mim ou para fugir de nós, porque ao fugir de mim sei que estou solitário, como um barco a deriva no meio do mar, como uma folha desgarrada da árvore pela força do vento, e o vento vai secando minha lágrimas, o vento sabe o quanto eu estou sofrendo.

E eu me ponho na estrada, talvez de volta para onde não tivesse saído, eu volto para o meu abrigo, que é lá onde sempre estive, é lá onde somos todos iguais.

Tuas palavras guardo na memória, e hora ou outra vou ao jardim te buscar, revendo as plantas que me destes, os cactos e as orquídeas, até as rosas que secaram porque não soube cuidar, tudo eu guardo, porque é revendo isso, que eu te encontro aonde não podes estar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s