Tudo que seja matéria

Volto a face a escrever cartas de amor, é sempre bom voltar as origens e escrever cartas de amor. Pois quando as águas ficam turvam em razão das erosões e das tempestades que a vida nos dar, é sempre bom escrever cartas de amor para sentir que a vida existe e que o tempo ainda consome nas asas do vento tudo o que seja matéria. O sol ainda há de brilhar bilhões de anos e não devo me preocupar com isso, o que incomoda é o tempo que agride nossa pele e nosso corpo e nos mostra as imperfeições, nesse sentido nos mostra que não somos nada, e que nunca fomos nada, apenas esse curto percuso de vida que nos moldura alicerçado em base do nosso caráter, se pudéssemos voltar ao tempo esvitaríamos muitas coisas que hoje não nos agrada ou que andam consumindo o pouco de sanidade que ainda nos resta, fora a isso somos todos hunanos, e a qualquer minuto seremos tragados pelo mesmo tempo voraz, que anda consumindo nas asas do vento tudo que seja matéria.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s