Nazaré

O mar bate no rochedo, não querendo o derrubar. E o rochedo está lá não para imperidir a expansão do mar. Ambos coexistem tentando ocupar o espaço do outro.

Da natureza podemos retirar lições de Vida, até mesmo das adversidades, que ha em Nazaré, onde as ondas sobem parecendo montanhas de água, e de lá é possível sentir medo da natureza.

Do Baixo Aleixo nós vemos o mar que contorna a Europa, lá por instinto ou por descuido muito amores se apagaram como espumas flutuando no vento.

Lá agora não há mais as aventuras dos invasores do mar do norte, lá agora tudo está calmo, e no mar repousa a lembrança das lágrimas diluídas nas ondas e compondo todo aquele sal.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s